domingo, 23 de março de 2008

A face oculta da actual adolescência, ou como as adolescências se repetem


Arrebatado…


O dia aproximava-se... E ali estava eu com ela... Envolvido pelo verde dos seus olhos, preso no loiro do seu cabelo, dependente do seu discurso, preso no tempo... Era um prisioneiro conformado. A imensidão do universo rodopiava à minha volta... Estavamos num mundo à parte...O tempo que estivemos juntos não pode ser contado... Apenas recordado... Os tempos imemoriais estavam perto e a alegria rondava-nos... A conversa estava viva e era nossa... De mais ninguém...Tudo estava bem... O fogo da vida estava vivo, aceso como nunca, de um laranja forte e pragmático... A noite era nossa... Conheci a sua alma e pensamento e eram os meus... Tocávamos na mesma tonalidade e a dança que daí advinha era bela, arrojada e divertida, uma dança de Primavera em que a fogueira era rei e todos os outros apenas os seus súbditos...Eu estava feliz...

Para a AA ou Tweety
Maracujá.
Escrito pelo filho mais velho da Passiflora Maré, que tem 14 anos.

4 comentários:

Anónimo disse...

Adolescente, poeta e romântico sonhador - mistura explosiva em todos os sentidos, não D.?
Parabéns ao Maracujá I.
Bj.
C.

Guilherme Salem disse...

Uma mistura que promete. Parabéns aos frutos que sairam de, alguns, de nós. Outros, de nós, deram outros frutos também compensadores e insubstituiveis.
Um Grande Abraço ao Maracujá I e que nunca lhe canse a escrita.

Anónimo disse...

Lindo este romantismo adolescente...
O que não virá depois...
Parabéns Maracujá!
Parabéns Passiflora!
F.S.

Armando S. Sousa disse...

Força rapaz, tens veia!

Um abraço.