sábado, 28 de fevereiro de 2009

What ?

Vital Moreira é o quê nas eleições europeias ?
Sem foto...
Sem nada...

Domingo





Domingo...Quaresma...um horror de combinação...
Mas, ainda assim.

Voilá

C´est tout...




Vamos ser todos presos...???

Toda a nudez será castigada2




Será que o MP de Torres Vedras anda por aí? ou a PSP de Braga?
WOW

Toda a nudez será castigada


Aguardo que as autoridades me encerrem o blogue por indecente e má figura.
Sexo é tabu.
Ainda há quem duvide?
Cuidado com as criancinhas por perto.
Pode ser que queiram espreitar...
Ainda vão adivinhar o acto que os gerou!


Just Because






Só para dizer "Olá"...

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

The show must go on












Glória a uma India de mil e um horrores, a um defunto bem amado, a um Jackman inspirado, a um Sean Penn de outro mundo, a uma Winslet finalmente justiçada, a uma Penélope endiabrada, a um Danny Boyle surrealista...
The show must go on...


terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

A hora proibida...


Já lá vai o sol abaixo
já lá vai a luz do dia
já lá vai o meu amor
com quem eu me divertia.

domingo, 22 de fevereiro de 2009

A noite mais longa




Vou ouvir falar de bilionários indianos, de leitores nazis empedernidos, de lutadores renascidos, de penelopes incendiadas e de defuntos saudosos. Vejam se não sou bruxo!


É a noite do OSCAR, meu eterno Amigo.


Boa "note". Até amanhã...




PS - Querida Meryl - mas o justo prémio seria para ti. Sem dúvida!

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Transcrições


Depois do Mário Crespo, achei que a Clara Ferreira Alves vinha a calhar, com a sua acutilância, actualidade e frontalidade.

"Não admira que num país assim emerjam cavalgaduras, que chegam ao topo, dizendo ter formação, que nunca adquiriram, que usem dinheiros públicos (fortunas escandalosas) para se promoverem pessoalmente face a um público acrítico, burro e embrutecido.

Este é um país em que a Câmara Municipal de Lisboa, desde o 25 de Abril distribui casas de RENDA ECONÓMICA - mas não de construção económica - aos seus altos funcionários e jornalistas, em que estes últimos, em atitude de gratidão, passaram a esconder as verdadeiras notícias e passaram a "prostituir-se" na sua dignidade profissional, a troco de participar nos roubos de dinheiros públicos, destinados a gente carenciada, mas mais honesta que estes bandalhos.

Em dado momento a actividade do jornalismo constituiu-se como O VERDADEIRO PODER. Só pela sua acção se sabia a verdade sobre os podres forjados pelos políticos e pelo poder judicial. Agora contínua a ser o VERDADEIRO PODER mas senta-se à mesa dos corruptos e com eles partilha os despojos, rapando os ossos ao esqueleto deste povo burro e embrutecido. Para garantir que vai continuar burro o grande cavallia (que em português significa cavalgadura) desferiu o golpe de morte ao ensino público e coroou a acção com a criação das Novas Oportunidades.

Gente assim mal formada vai aceitar tudo e o país será o pátio de recreio dos mafiosos.

A justiça portuguesa não é apenas cega. É surda, muda, coxa e marreca.


Portugal tem um défice de responsabilidade civil, criminal e moral muito maior do que o seu défice financeiro, e nenhum português se preocupa com isso, apesar de pagar os custos da morosidade, do secretismo, do encobrimento, do compadrio e da corrupção. Os portugueses, na sua infinita e pacata desordem existencial, acham tudo "normal" e encolhem os ombros. Por uma vez gostava que em Portugal alguma coisa tivesse um fim, ponto final, assunto arrumado. Não se fala mais nisso. Vivemos no país mais inconclusivo do mundo, em permanente agitação sobre tudo e sem concluir nada.

Desde os Templários e as obras de Santa Engrácia, que se sabe que, nada acaba em Portugal, nada é levado às últimas Consequências, nada é definitivo e tudo é improvisado, temporário, desenrascado.

Da morte de Francisco Sá Carneiro e do eterno mistério que a rodeia, foi crime, não foi crime, ao desaparecimento de Madeleine McCann ou ao caso Casa Pia, sabemos de antemão que nunca saberemos o fim destas histórias, nem o que verdadeiramente se passou, nem quem são os criminosos ou quantos crimes houve.

Tudo a que temos direito são informações caídas a conta-gotas, pedaços de enigma, peças do quebra-cabeças. E habituámo-nos a prescindir de apurar a verdade porque intimamente achamos que não saber o final da história é uma coisa normal em Portugal, e que este é um país onde as coisas importantes são "abafadas", como se vivêssemos ainda em ditadura.

E os novos códigos Penal e de Processo Penal em nada vão mudar este estado de coisas. Apesar dos jornais e das televisões, dos blogs, dos computadores e da Internet, apesar de termos acesso em tempo real ao maior número de notícias de sempre, continuamos sem saber nada, e esperando nunca vir a saber com toda a naturalidade.

Do caso Portucale à Operação Furacão, da compra dos submarinos às escutas ao primeiro-ministro, do caso da Universidade Independente ao caso da Universidade Moderna, do Futebol Clube do Porto ao Sport Lisboa Benfica, da corrupção dos árbitros à corrupção dos autarcas, de Fátima Felgueiras a Isaltino Morais, da Braga Parques ao grande empresário Bibi, das queixas tardias de Catalina Pestana às de João Cravinho, há por aí alguém quem acredite que algum destes secretos arquivos e seus possíveis e alegados, muitos alegados crimes, acabem por ser investigados, julgados e devidamente punidos?

Vale e Azevedo pagou por todos?

Quem se lembra dos doentes infectados por acidente e negligência de Leonor Beleza com o vírus da sida?

Quem se lembra do miúdo electrocutado no semáforo e do outro afogado num parque aquático?

Quem se lembra das crianças assassinadas na Madeira e do mistério dos crimes imputados ao padre Frederico?

Quem se lembra que um dos raros condenados em Portugal, o mesmo padre Frederico, acabou a passear no Calçadão de Copacabana?

Quem se lembra do autarca alentejano queimado no seu carro e cuja cabeça foi roubada do Instituto de Medicina Legal?

Em todos estes casos, e muitos outros, menos falados e tão sombrios e enrodilhados como estes, a verdade a que tivemos direito foi nenhuma.

No caso McCann, cujos desenvolvimentos vão do escabroso ao incrível, alguém acredita que se venha a descobrir o corpo da criança ou a condenar alguém?

As últimas notícias dizem que Gerry McCann não seria pai biológico da criança, contribuindo para a confusão desta investigação em que a Polícia espalha rumores e indícios que não têm substância.

E a miúda desaparecida em Figueira? O que lhe aconteceu? E todas as crianças desaparecida antes delas, quem as procurou?

E o processo do Parque, onde tantos clientes buscavam prostitutos, alguns menores, onde tanta gente "importante" estava envolvida, o que aconteceu?

Arranjou-se um bode expiatório, foi o que aconteceu.

E as famosas fotografias de Teresa Costa Macedo? Aquelas em que ela reconheceu imensa gente "importante", jogadores de futebol, milionários, políticos, onde estão? Foram destruídas? Quem as destruiu e porquê?

E os crimes de evasão fiscal de Artur Albarran mais os negócios escuros do grupo Carlyle do senhor Carlucci em Portugal, onde é que isso pára?

O mesmo grupo Carlyle onde labora o ex-ministro Martins da Cruz, apeado por causa de um pequeno crime sem importância, o da cunha para a sua filha.

E aquele médico do Hospital de Santa Maria, suspeito de ter assassinado doentes por negligência? Exerce medicina?

E os que sobram e todos os dias vão praticando os seus crimes de colarinho branco sabendo que a justiça portuguesa não é apenas cega, é surda, muda, coxa e marreca.

Passado o prazo da intriga e do sensacionalismo, todos estes casos são arquivados nas gavetas das nossas consciências e condenados ao esquecimento.

Ninguém quer saber a verdade. Ou, pelo menos, tentar saber a verdade.

Nunca saberemos a verdade sobre o caso Casa Pia, nem saberemos quem eram as redes e os "senhores importantes" que abusaram, abusam e abusarão de crianças em Portugal, sejam rapazes ou raparigas, visto que os abusos sobre meninas ficaram sempre na sombra.

Existe em Portugal uma camada subterrânea de segredos e injustiças , de protecções e lavagens , de corporações e famílias , de eminências e reputações, de dinheiros e negociações que impede a escavação da verdade.


Este é o maior fracasso da democracia portuguesa"

Clara Ferreira Alves - "Expresso"

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Unir...


“(...) Atravessei o jardim solitário e sem lua,
Correndo ao vento pelos caminhos fora,
Para tentar como outrora
Unir a minha alma à tua (...).

In “O jardim e a noite” Sophia de Mello Breyner Andresen, “Cem poemas de Sophia”

Crónica da vida e da morte


Depois de em Outubro ter morto o casamento gay no parlamento, José Sócrates, secretário-geral do Partido Socialista, assume-se como porta-estandarte de uma parada de costumes onde quer arregimentar todo o partido.

Almeida Santos, o presidente do PS, coloca-se ao seu lado e propõe que se discuta ao mesmo tempo a eutanásia.

Duas propostas que em comum têm a ausência de vida.

A união desejada por Sócrates, por muitas voltas que se lhe dê, é biologicamente estéril. A eutanásia preconizada por Almeida Santos é uma proposta de morte. No meio das ideias dos mais altos responsáveis do Partido Socialista fica o vazio absoluto, fica "a morte do sentido de tudo" dos Niilistas de Nitezsche. A discussão entre uma unidade matrimonial que não contempla a continuidade da vida e uma prática de morte, é um enunciar de vários nadas descritos entre um casamento amputado da sua consequência natural e o fim opcional da vida legalmente encomendado. Sócrates e Santos não querem discutir meios de cuidar da vida (que era o que se impunha nesta crise). Propõem a ausência de vida num lado e processos de acabar com ela noutro.

Assustador, este Mundo politicamente correcto, mas vazio de existência, que o presidente e o secretário-geral do Partido Socialista querem pôr à consideração de Portugal. Um sombrio universo em que se destrói a identidade específica do único mecanismo na sociedade organizada que protege a procriação, e se institui a legalidade da destruição da vida.

O resultado das duas dinâmicas, um "casamento" nunca reprodutivo e o facilitismo da morte-na-hora, é o fim absoluto que começa por negar a possibilidade de existência e acaba recusando a continuação da existência.

Que soturno pesadelo este com que Almeida Santos e José Sócrates sonham onde não se nasce e se legisla para morrer. Já escrevi nesta coluna que a ampliação do casamento às uniões homossexuais é um conceito que se vai anulando à medida que se discute porque cai nas suas incongruências e paradoxos.

O casamento é o mais milenar dos institutos, concebido e defendido em todas as sociedades para ter os dois géneros da espécie em presença (até Francisco Louçã na sua bucólica metáfora congressional falou do "casal" de coelhinhos como a entidade capaz de se reproduzir). E saiu-lhe isso (contrariando a retórica partidária) porque é um facto insofismável que o casamento é o mecanismo continuador das sociedades e só pode ser encarado como tal com a presença dos dois géneros da espécie. Sem isso não faz sentido.

Tudo o mais pode ser devidamente contratualizado para dar todos os garantismos necessários e justos a outros tipos de uniões que não podem ser um "casamento" porque não são o "acasalamento" tão apropriadamente descrito por Louçã.

E claro que há ainda o gritante oportunismo político destas opções pelo "liberalismo moral" como lhe chamou Medina Carreira no seu Dever da Verdade. São, como ele disse, a escapatória tradicional quando se constata o "fracasso político-económico" do regime.

O regime que Sócrates e Almeida Santos protagonizam chegou a essa fase. Discutem a morte e a ausência da vida por serem incapazes de cuidar dos vivos.


Mário Crespo



À vossa consideração...


terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Ocaso(s)


Hoje quero sentir-me aqui.
Perdido. mas extasiado por esta esmagadora paisagem em que nada vale senão o vento e a luz.
Para que mais tarde possa levar para a outra vida uma réstia desse som...

sábado, 14 de fevereiro de 2009

The Heart Nebula

não aprecio a ostentação e o apelo ao consumo da data que hoje se celebra.


Chuva (de)cadente


Para quem está farto desta chuva que não pára!!!
No link abaixo, limpe o vidro com o rato... e verá que a Primavera está aí a chegar. Mesmo.
http://www.eldogma.com.ar/flyers/diaprimavera/default.asp

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

A dança das horas (pequenas e grandes)



video



MOMIX é uma companhia de dançarinos conhecida internacionalmente pela apresentação de trabalhos de extrema beleza física e muita criatividade.

Eis os corpos.

Eis a rosa da pequena bailarina, aquela que roda, roda, roda, em busca de um melhor canteiro de vida. Noutros jardins. Os de pedra colorida. E os que não são proibidos...

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

... E reencontro (de sangrentas despedidas e solenes reencontros com as mesmas pessoas é feita a vida, diz-me a magnólia)


E por vezes as noites duram meses
E por vezes os meses oceanos
E por vezes os braços que apertamos
nunca mais são os mesmos
E por vezes
encontramos de nós em poucos meses
o que a noite nos fez em muitos anos
E por vezes fingimos que lembramos
E por vezes lembramos que por vezes
ao tomarmos o gosto aos oceanos
só o sarro das noites não dos meses
lá no fundo dos copos encontramos
E por vezes sorrimos ou choramos
E por vezes por vezes
ah por vezes
num segundo se envolam tantos anos.

domingo, 8 de fevereiro de 2009

Despedida


Já gastamos as palavras pela rua, meu amor,
e o que nos ficou não chega para afastar o frio de quatro paredes.
Gastamos tudo menos o silêncio.
Gastamos os olhos com o sal das lágrimas,
gastamos as mãos à força de as apertarmos,
gastamos o relógio e as pedras das esquinas em esperas inúteis.
Meto as mãos nas algibeiras e não encontro nada.
Antigamente tínhamos tanto para dar um ao outro;
era como se todas as coisas fossem minhas: quanto mais te dava mais tinha para te dar.

Mas isso era no tempo dos segredos,
era no tempo em que o teu corpo era um aquário,
era no tempo em que os meus olhos eram realmente peixes verdes.
Hoje são apenas os meus olhos.
É pouco, mas é verdade, uns olhos como todos os outros.
Já gastamos as palavras.
Quando agora digo: meu amor já se não passa absolutamente nada.
E no entanto,
antes das palavras gastas,
tenho a certeza que todas as coisas estremeciam
só de murmurar o teu nome no silêncio do meu coração.
Não temos já nada para dar.
Dentro de ti não há nada que me peça água.
O passado é inútil como um trapo.
E já te disse: as palavras estão gastas.
Adeus...
(Eugénio de Andrade)

sábado, 7 de fevereiro de 2009

Flama


A exuberância da excentricidade na natureza
e da precisão na arte.

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

O cais do 365º dia




Hoje é o 365º dia.
Da Magnólia
Faz um ano que a plantei.
Foi a 6.
Do 2º dia do mês do carnaval.
Sem máscara.
Com junquilhos.
E muita hera.
E tem crescido.
A olhos vistos.
De seiva branda.
De encanto a seis mãos.

Um abraço a nós, G. e P.
E aos magnólicos...

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

A vida tal qual ela é - uma estrada revolucionária


Já estreou.

A fita.

E a vida.


Vida cortada às postas, entre gritos, amores e ódios não sentidos.
Promessas que ficaram por cumprir, abandonos constantes, frustrações, solidões de ilhas no meio de tanta gente.
São tristezas de um casal. Suas alegrias mornas, pequenamente intensas, momentâneas. Opções erradas e menos certas. Sonhos desfeitos em nome do bem comum (qual?).
Cedo chega a altura em que só temos de desligar o aparelho e deixar de ouvir o que dizem os outros.
Com Leo DiCaprio e Kate Winslet.
Tanto de nós ali.

Na vida como nas fitas...

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Quando...

a natureza cria recintos de peregrinação e peregrinos.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

A Ritinha passou por aqui


"Este som povoa a minha memória sonhada desde há muito tempo. Não me lembro de quando não a povoava. Não é a música mais bonita do mundo, nem uma letra só de felicidade, mas soa-me a anteautobiografia. Num sonho recorrente, a minha vida começa a mudar assim... numa multidão repleta de dois, em que tudo se altera. Este som é o som da vida que eu ainda não tive. Este som diz tudo de mim. Esta é a minha música. E já achei que podia ser de outros... o que diz bem de quanto os quis no meu depois... Agora, não sei..."

(A música é de Andrea Boccelli - L'abitudine)



Para a R. que descobri também navegar por um recanto lindo de morrer...


O endereço dos calmos sons da vida da Ritinha, perto do fofo novelo da nuvem mais branca que ela teceu, é:

http://poraquipasseimesmoeu.blogspot.com/2009_01_01_archive.html

Furtado/Morrison



Algo que ouço muito hoje em dia.
Para os magnólicos...

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Real Politik


Discurso Político

ANTES DA POSSE
O nosso partido cumpre o que promete.
Só os tolos podem crer que
não lutaremos contra a corrupção.
Porque, se há algo certo para nós, é que
a honestidade e a transparência são fundamentais.
para alcançar nossos ideais
Mostraremos que é grande estupidez crer que
as máfias continuarão no governo, como sempre.
Asseguramos sem dúvida que
a justiça social será o alvo de nossa acção.
Apesar disso, há idiotas que imaginam que
se possa governar com as manchas da velha política.
Quando assumirmos o poder, faremos tudo para que
se termine com os marajás e as negociatas.
Não permitiremos de nenhum modo que
nossas crianças morram de fome.
Cumpriremos nossos propósitos mesmo que
os recursos económicos do país se esgotem.
Exerceremos o poder até que
Compreendam que
Somos a nova política.


DEPOIS DA POSSE

Basta ler o mesmo texto acima, DE BAIXO PARA CIMA