segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Vento


Está hoje um dia de vento e eu gosto do vento
O vento tem entrado nos meus versos de todas as maneiras e
só entram nos meus versos as coisas de que gosto
O vento das árvores o vento dos cabelos
o vento do inverno o vento do verão
O vento é o melhor veículo que conheço
Só ele traz o perfume das flores só ele traz
a música que jaz à beira-mar em agosto
Mas só hoje soube o verdadeiro valor do vento
O vento actualmente vale oitenta escudos
Partiu-se o vidro grande da janela do meu quarto



Ruy Belo

domingo, 30 de janeiro de 2011

Âmago


Os olhos e nós gostamos da essência das coisas, seja qual for o nome que lhes dão...

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Lacrimal

Seca as lágrimas.
Entrega-mas todas a mim para que que eu as guarde...

O vento sob as minhas asas

As cidades e o desejo


No mapa do teu império, ó grande khan, devem encontrar lugar tanto a grande Fedora de pedra como as pequans Fedoras nas esferas de vidro. Não por serem todas igualmente reais, mas por serem todas só presumíveis. Uma encerra o que é aceite como necessário enquanto não o é ainda; as outras o que é imaginado como possível e no minuto a seguir já não o é.


Italo Calvino

As Cidades Invisíveis

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Um Piano a horas mortas


Piano misterioso aparece num banco de areia - Globo - DN

As águas têm direito a melodia...

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

É sempre a mesma dança...



que nos leva a contar a mesma história.
A nossa. A tua. A minha.
Aquela que irrompe do riso e do pranto,
metades sôfregas do mesmo espanto.

O meu lado cego...



... é o que melhor vê!

Caça às séries





Bons velhos tempos...
Quem adivinha os nomes?

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Berlusconi liga para programa de TV e insulta apresentador - Globo - DN

Berlusconi liga para programa de TV e insulta apresentador - Globo - DN

Oscares 2011 - Nomeações


BEST PICTURE:
Black swan
The Fighter
Inception
The Kids Are All Right
The King’s Speech
127 Hours
The Social Network
Toy Story 3
True Grit
Winter’s Bone

DIRECTING:
Darren Aronofsky, Black Swan
David O. Russell, The Fighter
Tom Hooper, The King’s Speech
David Fincher, The Social Network
Joel and Ethan Coen, True Grit

ACTOR IN A LEADING ROLE:
Javier Bardem, Biutiful
Jeff Bridges, True Grit
Jesse Eisenberg, The Social Network
Colin Firth, The King’s Speech
James Franco, 127 Hours

ACTRESS IN A LEADING ROLE:
Anette Bening, The Kids Are All Right
Nicole Kidman, Rabbit Hole
Jennifer Lawrence, Winter’s Bone
Natalie Portman, Black Swan
Michelle Williams, Blue Valentine

ACTOR IN A SUPPORTING ROLE:
Christian Bale, The Fighter
John Hawkes, Winter’s Bone
Jeremy Renner, The Town
Mark Ruffalo, The Kids Are All Right
Geoffrey Rush, The King’s Speech

ACTRESS IN A SUPPORTING ROLE:
Amy Adams, The Fighter
Helena Bonham Carter, The King’s Speech
Melissa Leo, The Fighter
Hailee Steinfeld, True Grit
Jackie Weaver, Animal Kingdom

ADAPTED SCREENPLAY:
127 Hours - Danny Boyle & Simon Beaufoy
The Social Network - Aaron Sorkin
Toy Story 3 - Michael Arndt
True Grit - Joel Coen & Ethan Coen
Winter’s Bone - Debra Granik & Anne Rosellini

ORIGINAL SCREENPLAY:
Another Year - Mike Leigh
The Fighter - Scott Silver and Paul Tamasy & Eric Johnson
Inception - Christopher Nolan
The Kids Are All Right - Lisa Cholodenko & Stuart Blumberg
The King’s Speech - David Seidler

FOREIGN LANGUAGE FILM:
Biutiful
Dogtooth
In a Better World
Incendies
Outside the Law

ANIMATED FEATURE FILM:
How to Train Your Dragon
The Illusionist
Toy Story 3

BEST CINEMATOGRAPHY:
Black Swan - Matthew Libatique
Inception - Wally Pfister
The King’s Speech - Danny Cohen
The Social Network - Jeff Cronenweth
True Grit - Roger Deakins

ART DIRECTION:
Alice in Wonderland – Production Design: Robert Stromberg; Set Decoration: Karen O’Hara
Harry Potter and the Deathly Hallows Part 1 – Production Design: Stuart Craig; Set Decoration: Stephenie McMillan
Inception - Production Design: Guy Hendrix Dyas; Set Decoration: Larry Dias and Doug Mowat
The King’s Speech – Production Design: Eve Stewart; Set Decoration: Judy Farr
True Grit – Production Design: Jess Gonchor; Set Decoration: Nancy Haigh

FILM EDITING:
Black Swan - Andrew Weisblum
The Fighter - Pamela Martin
The King’s Speech - Tariq Anwar
127 Hours - Jon Harris
The Social Network - Angus Wall and Kirk Baxter

BEST DOCUMENTARY:
Exit through the Gift Shop - Banksy and Jaimie D’Cruz
Gasland - Josh Fox and Trish Adlesic
Inside Job - Charles Ferguson and Audrey Marrs
Restrepo - Tim Hetherington and Sebastian Junger
Waste Land - Lucy Walker and Angus Aynsley

BEST DOCUMENTARY SHORT:
Killing in the Name - Nominees to be determined
Poster Girl - Nominees to be determined
Strangers No More - Karen Goodman and Kirk Simon
Sun Come Up - Jennifer Redfearn and Tim Metzger
The Warriors of Qiugang - Ruby Yang and Thomas Lennon

ORIGINAL SCORE:
How to Train Your Dragon - John Powell
Inception - Hans Zimmer
The King’s Speech - Alexandre Desplat
127 Hours - A.R. Rahman
The Social Network - Trent Reznor and Atticus Ross

BEST ORIGINAL SONG:
Coming Home from Country Strong - Music and Lyric by Tom Douglas, Troy Verges and Hillary Lindsey
I See the Light from Tangled - Music by Alan Menken Lyric by Glenn Slater
If I Rise from 127 Hours - Music by A.R. Rahman Lyric by Dido and Rollo Armstrong
We Belong Together from Toy Story 3 - Music and Lyric by Randy Newman

BEST VISUAL EFFECTS:
Alice in Wonderland - Ken Ralston, David Schaub, Carey Villegas and Sean Phillips
Harry Potter and the Deathly Hallows Part 1 - Tim Burke, John Richardson, Christian Manz and Nicolas Aithadi
Hereafter - Michael Owens, Bryan Grill, Stephan Trojanski and Joe Farrell
Inception - Paul Franklin, Chris Corbould, Andrew Lockley and Peter Bebb
Iron Man 2 - Janek Sirrs, Ben Snow, Ged Wright and Daniel Sudick

BEST MAKE-UP:
Barney’s Version - Adrien Morot
The Way Back - Edouard F. Henriques, Gregory Funk and Yolanda Toussieng
The Wolfman - Rick Baker and Dave Elsey

SOUND EDITING:
Inception - Richard King
Toy Story 3 - Tom Myers and Michael Silvers
Tron: Legacy - Gwendolyn Yates Whittle and Addison Teague
True Grit - Skip Lievsay and Craig Berkey
Unstoppable - Mark P. Stoeckinger

SOUND MIXING:
Inception - Lora Hirschberg, Gary A. Rizzo and Ed Novick
The King’s Speech - Paul Hamblin, Martin Jensen and John Midgley
Salt - Jeffrey J. Haboush, Greg P. Russell, Scott Millan and William Sarokin
The Social Network - Ren Klyce, David Parker, Michael Semanick and Mark Weingarten
True Grit - Skip Lievsay, Craig Berkey, Greg Orloff and Peter F. Kurland

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

chuva


Por aqui a chuva não cai oblíqua
mas proporcional aos desgostos que se impõem,
às alegrias que se sentem...

Pontes/Morricone

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Os 1001 mandamentos

O mundo a meus pés - II


ABRAM E SURPREENDAM-SE! VALE A PENA.
http://www.poodwaddle.com/worldclock.swf

E os novos filmes que me levarão às salas do Nimas





O novo Woody

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Rol


Lido no
ADVOGADA DO DIABO:


Pôr a negrito as coisas idiotas que já fizemos. (porque há falta de tempo junta-se a falta de inspiração)



1. Fingir que os tic-tac são cápsulas de remédio.

2. Desenhar um relógio no braço.

3. Tapar o ralo do chão da banheira para fazer uma piscininha.

4. Fazer a proeza de enfiar o dedo no próprio olho sem querer.

5. Ficar a entortar daqueles lápis verdes até partir.

6. Apostar corrida de gotas na janela do carro quando está a chover (comigo próprio).

7. Apagar tudo o que estavas a escrever quando vês que a outra pessoa está a digitar algo no msn.

8. Tentar equilibrar o interruptor da luz no meio, entre aceso e apagado.

9. Tirar melhor nota que o nerd da turma sem ter estudado.

10. Morder um copo de plástico depois de beber o que tinha para depois rasgar em várias tiras e fazer um sol.

11. Deixar sempre o volume do rádio/tv num número redondo ou múltiplo de 5.

12. Ficar com preguiça de colocar um rolo novo de papel higiénico no lugar e deixar o vazio.

13. Ficar desconfortável quando estás a ver um filme com os pais e começa uma cena de sexo.

14. Falar mal de uma pessoa a alguém e descobrir que era um parente/amigo dela.

15. Responder algo para alguém que está à tua frente e só depois perceber que não era contigo.

16. Sentir a necessidade de premir uma tecla sempre que passa perto de um teclado ou piano.

17. Gritar quando a luz apaga.

18. Quando eras pequeno, fingir que estavas a dormir quando chegavas de carro a casa para te levarem ao colo.

19. Dizer coisas obscenas ou parvoíces quando um amigo está a falar com os pais ao telefone.

20. Colocar uma caixinha vazia de pastilhas no dedo indicador.

21. Na hora de digitar a senha errar uma letra e apagar tudo só para ter certeza.

22. Escrever uma risada gigante no msn mesmo sem estar a rir.

23. Dar umas 5 chineladas numa aranha porque não morreu à primeira.

24. Estar a ver algo na televisão e mudar sem querer de canal ao tentar aumentar o volume.

25. Coçares-te com uma caneta e só depois de reparar que a ponta estava para fora e ficaste todo riscado.

26. Dizer à mãe de um amigo que não tinhas fome quando estavas cheio de fome.

27. Tentar cortar um pedaço de carne e quando finalmente consegues, o pedaço voar do prato.

28. Molhares-te todo ao lavar uma colher.

29. Querer digitar “!!!!!!!” e aparecer um “1” no meio !!!!!1!!

30. Perder mais tempo a procurar o comando da televisão do que se te levantasses.

31. Colocar o braço perto da tv para os pelinhos do braço se levantarem.

32. Quando as coisas estão complicadas querer voltar ao tempo em que as únicas preocupações era o Dragon Ball e as Navegantes da Lua.

33. Quando eras pequeno, acordar cedo e ir para a cama dos pais ver desenhos animados.

34. Ficar com raiva de ti mesmo quando queimas a língua.

35. Dizer números aleatórios quando alguém está concentrado a contar alguma coisa.

36. Achar que o teste foi fácil… até receber a nota.

37. Meter o telemóvel no silêncio quando era suposto desligares.

38. Contar quantas pessoas estão à tua frente para saber qual a questão que a professora te vai fazer.

39. Gozar um colega à frente da turma toda.

40. Fazer uma lista mental de todas as asneiras que fizeste quando o pai/mãe diz: ”precisamos de ter uma conversa".

41. Ficar nervoso quando alguém te diz: “Preciso de falar contigo...”

42. Ficar muito feliz quando uma pergunta no teste dá a resposta a outra.

43. Antes de adormecer contar quantas horas vais ter de sono até teres que acordar.

44. Pausar a música por 1 minuto e 1 hora e depois perceber que ela ainda tá pausada.

45. Mostrar um vídeo engraçado do Youtube para alguém e ficar a olhar para a cara da pessoa para ver se ela se está a rir.

46. Ficar entusiasmado na hora de comprar o material para a escola e na primeira semana já estar farto.

47. Entrar na banheira com a luz apagada, e quando sair, acender.

48. Ter sempre a última folha do caderno rabiscada.

49. Estar no meio de um sonho e saber que aquilo não é real, que é só um sonho.

50. Entrar na farmácia só para me pesar.

51. Colocar de volta o bico do lápis quando ele se parte.

52. Salvar arquivos com um nome teclado ao calhas por preguiça.

53. Ficar até o final do filme no cinema para ver se tem cenas extra.

54. Fechar a porta do frigorífico devagar e ficar a olhar la para dentro para ver quando a luz apaga...

55. Estar no banho e começar a gritar "mããããe" porque a água está a arrefecer.

56. Clicar com o botão direito no emoticon do MSN só pra ver o significado que a outra pessoa colocou.

57. Rasbicar alguma coisa enquanto fala no telefone.

58. Correr e deslizar no chão dos super mercados

59. Cada vez que olho para o tecto abro a boca. (e agora foste olhar para te certificares disto :b)

60. Reencaminhar uma daquelas mensagens que todos mandam a dizer que a tmn/optimos/vodafone faz anos e se reencaminhar a um certo número de pessoas ficas com o saldo a não sei quanto.

61. Atender do gravador de mensagens e nós: Estou! Sim!

Marco ou marca?




Os marcos de correio faziam-nos acreditar que a cidade não era um deserto.
Tinham cerca de um metro e meio de altura e eram tão familiares que davam vontade de abraçar e assim apertar entre os braços todos os segredos que fielmente guardavam. Alguns deles eram os nossos, antes de partirem. A colocação da carta na sua misteriosa ranhura inspirava sempre um momento de excitação: e se do lado de dentro uma pequena mão tocasse a nossa, só para provar que o marco do correio tinha vontade própria e nos entendia?
A possibilidade desse toque de mão justificava que lhe pedíssemos especial cuidado com a nossa carta, seguramente a mais importante que tinha recebido nesse dia. Nunca se provou se o marco do correio tinha mãos, mas a partir de um certo dia, começou-se a desconfiar que tinha pés. Um a um, os marcos do correio vermelhos da cor das cerejas, dos rubis e das copas e ouros das outras cartas, foram desaparecendo. Parecia que os tiravam de noite, sem ninguém dar por isso. E eles, que durante toda a vida guardaram por algumas horas segredos, cheques, declarações de amor e de IRS, cartões de parabéns e de Natal, guardam também o segredo da sua desaparição. Foram substituídos por enormes rectângulos vermelhos de várias funcionalidades.
Duas bocas que lado a lado engolem com apetites diferentes cartas de correio normal ou de correio azul e internacional e uma minúscula boca que cospe selos e raramente está aberta. O seu aspecto maquinal e desumano faz-nos sempre desconfiar quando, certos de que não esconde uma mão, lhe confiamos uma carta: será que alguma vez ela vai cumprir o seu destino?
MJF

Praia Mar


Os barcos da pesca, tábuas frágeis puxadas a remo, apareciam um momento no vazio das ondas, depois na crista, ora a pique ou então de proa para cima como se fossem voar, bamboleando naquela contradança de vento e água.

Os homens que não remavam víamo-los em pé, num equilíbrio impossível, fazendo contrapeso.

Ou então agachados, presos ao rebordo, recebendo nas costas as pancadas do mar, às vezes pegando num remo a dois, a deitar a mão ao companheiro que fraquejava.

De través, às arrecuas ou de proa, ganhando metros, perdendo metros, os barcos iam-se aproximando da praia cheios de cautela, os olhos dos homens atentos à corrente.

Por fim, à força de braço, de jeito e orações, aproveitando uma onda mais mansa, deixavam-se levar por ela e encalhavam no areal.




J. RENTES DE CARVALHO, Ernestina, Ed. Escritor, Lx. 2001, p. 162.

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

A dança dos audazes



Isto é esmagador!

Um C a mais


Quando eu escrevo a palavra ação, por magia ou pirraça, o computador retira automaticamente o c na pretensão de me ensinar a nova grafia. De forma que, aos poucos, sem precisar de ajuda, eu próprio vou tirando as consoantes que, ao que parece, estavam a mais na língua portuguesa. Custa-me despedir-me daquelas letras que tanto fizeram por mim. São muitos anos de convívio. Lembro-me da forma discreta e silenciosa como todos estes cês e pês me acompanharam em tantos textos e livros desde a infância. Na primária, por vezes gritavam ofendidos na caneta vermelha da professora: não te esqueças de mim! Com o tempo, fui-me habituando à sua existência muda, como quem diz, sei que não falas, mas ainda bem que estás aí. E agora as palavras já nem parecem as mesmas. O que é ser proativo? Custa-me admitir que, de um dia para o outro, passei a trabalhar numa redação, que há espetadores nos espetáculos e alguns também nos frangos, que os atores atuam e que, ao segundo ato, eu ato os meus sapatos.

Depois há os intrusos, sobretudo o erre, que tornou algumas palavras arrevesadas e arranhadas, como neorrealismo ou autorretrato. Caíram hifenes e entraram erres que andavam errantes. É uma união de facto, para não errar tenho a obrigação de os acolher como se fossem família. Em 'há de' há um divórcio, não vale a pena criar uma linha entre eles, porque já não se entendem. Em veem e leem, por uma questão de fraternidade, os és passaram a ser gémeos, nenhum usa chapéu. E os meses perderam importância e dignidade, não havia motivo para terem privilégios, janeiro, fevereiro, março são tão importantes como peixe, flor, avião. Não sei se estou a ser suscetível, mas sem p algumas palavras são uma autêntica deceção, mas por outro lado é ótimo que já não tenham.

As palavras transformam-nos. Como um menino que muda de escola, sei que vou ter saudades, mas é tempo de crescer e encontrar novos amigos. Sei que tudo vai correr bem, espero que a ausência do cê não me faça perder a direção, nem me fracione, nem quero tropeçar em algum objeto abjeto. Porque, verdade seja dita, hoje em dia, não se pode ser atual nem atuante com um cê a atrapalhar.



Manuel Halpern

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

A cavalo MARINHO




11-Jan-2011

José António Barreiros justificou assim o abandono da sala de actos da Ordem dos Advogados, quando discursava o bastonário, na tomada de posse de Marinho Pinto.

«Os que estranharam eu ter abandonado a sala de actos da Ordem dos Advogados quando discursava o bastonário, insultando-me, estranhariam se soubessem que o autor da façanha me havia impedido de usar da palavra?
Estranhariam se soubessem que o autor da proeza havia escrito, no Verão, um livro de auto-elogio e promessas, em que me considerou, e ao conselho superior a que presidi, "uma página de ignomínia na história da Ordem dos Advogados" e impediu depois a divulgação da carta na qual eu rebatia as acusações, cuja publicação no portal da Ordem censurou?
Estranhariam quanto silêncio, quanta contenção, quanta paciência tive, ao longo de um triénio, suportando desconsiderações, vendo propalar mentiras, assistindo a um despautério verbal feio e acintoso?
Estranhariam se soubessem que é o bastonário que me acusa de lhe ter instaurado processos disciplinares quem omite que o fiz pelo mero cumprimento de um dever, porque havia queixas contra ele e ninguém está acima da lei?
Estranhariam se soubessem que, ao chegar ao fim do mandato, o bastonário viu três processos disciplinares contra si arquivados e nenhum outro teve andamento, pois deduziu suspeição contra mim e contra o conselho superior para impedir que o julgássemos?
Estranhariam se soubessem que o único processo que o conselho superior instaurou a partir de certidão da sua conselheira-secretária foi porque ele, depois de propalar indeterminadamente que havia "regabofe financeiro na Ordem dos Advogados", "despesismo", "negociatas na formação" e torpezas quejandas, sujando tudo e todos, atirando a pedra e escondendo a mão sob a alegação de que não tinha de dizer de quem falava, após notificação, se recusou intencionalmente a informar o conselho - que é o supremo órgão jurisdicional da OA -, transformando a Ordem, ante a opinião pública, numa corja de bandidos?
Estranhariam se soubessem que, mais de uma vez, me ofereci para dar seguimento legal, assim ele as individualizasse, às ilicitudes e crimes que denunciava, porque a Ordem é uma associação pública que gere dinheiros públicos, passível da fiscalização do Tribunal de Contas, assim este órgão o entenda e queira?
Estranhariam se lembrassem que o mesmo bastonário, à sorrelfa, meteu nas mãos do ministro da Justiça, Alberto Costa, um projecto de alteração do estatuto da Ordem, secreto, feito por si à revelia de todos os órgãos e com desconhecimento da classe, em que alterava as competências do conselho superior, apoucando-o para seu benefício, o que nos levou a tentar uma assembleia-geral que desse voz à classe, ante o que ele nos "meteu em tribunal", coisa nunca antes vista - um órgão da Ordem a accionar judicialmente outro?
Estranhariam se soubessem que deliberadamente negou ao conselho superior meios humanos e de serviço para trabalhar em condições de eficácia, escravizando os funcionários e fazendo-os viver o medo do despedimento, enquanto ele se rodeava de assessores de imprensa e de todos os meios de propaganda, cujo efeito está à vista, e fizesse aumentar os gastos do conselho geral, escondendo o acesso às contas a membros desse conselho, que por isso se demitiram?
Estranhariam se soubessem que durante todo o mandato, apesar do protesto público, o correio dirigido ao conselho superior e a mim próprio foi aberto e esventrado pelos seus serviços, convivendo-se com a vergonha de o expediente chegar ao conselho superior com o carimbo de entrada do conselho geral?
Estranhariam se soubessem que as receitas com que o conselho superior contribuiu para o funcionamento da Ordem se disfarçavam no orçamento e as suas magríssimas despesas de funcionamento não estavam autonomizadas, para ue assim fôssemos também nós maculados com os gastos, alegadamente despropositados, dos vários órgãos da Ordem (ele que mostre quanto gastou, a começar com o seu ordenado e demais alcavalas, a mim que nunca um tostão
recebi da Ordem como remuneração ou sequer despesa)?
Estranhariam se soubessem que coexistimos com um bastonário que viu todos os orçamentos e contas de gerência serem reprovadas em assembleia-geral por maiorias mais que qualificadas, apesar de ter andado a arregimentar votos para com eles tentar ganhar aplauso, vituperando depois, já que perdia, o voto por procuração, insultando os que assim votavam?
Estranhariam se soubessem que, em homenagem à dignidade do cargo quedesempenhei, anunciei ser alheio a qualquer lógica de poder, não ser candidato a qualquer cargo na Ordem, recusando pedidos reiterados de que me candidatasse a bastonário, repudiei sugestões públicas no sentido de o conselho superior usar a via disciplinar para afastar o bastonário, nunca participei em reunião alguma que tivesse a ver com temas eleitorais ou de antagonismo à sua política?
Estranhariam se soubessem que aos 61 anos de idade, tendo exercido a profissão com a decência que vi naqueles que me deram a mão para que nela ingressasse, os meus patronos Francisco Salgado Zenha e Xencora Camotim, tendo servido bastonários dignos e que são exemplo, tendo-me afoitado a fazer eleger, pela primeira vez na história da Ordem, um conselho superior
em eleições directas autónomas, e a preservar-lhe a unidade e a dignidade, me vi, a mim e a eles, conselheiros e no final amigos, apodados vilmente pelo bastonário como "uma página de ignomínia"? A reacção humana natural, fossem quais fossem as consequências, seria não o ter saído da sala em acto de protesto, como fiz, mas, de cavalo marinho nas unhas, impor a força da
razão àquele que a tanto se atrevia, por rancor, por demagogia pura, por autoritarismo, que me prodigalizou abraços cínicos e manifestações hipócritas de amizade, quando já na campanha eleitoral que o levou a bastonário me insultara, regurgitando que eu não era candidato nem pessoa séria.
Estranhariam, pergunto enfim, estar farto de ficar calado por causa de umcargo que me obrigou à contenção?
Na noite da posse, pois que sou, no dizer do bastonário eleito e por isso o bastonário legal, "página de ignomínia na história da Ordem dos Advogados",abdiquei de conservar a insígnia correspondente ao cargo de presidente doconselho superior. Está entregue ao meu sucessor, dr. Óscar Ferreira Gomes.
Compareci ao acto solene com a minha toga, sem qualquer decoração. Está velha e rota, porque fui advogado a vida toda. Orgulho-me dela tanto quanto me envergonhei naquela noite».
(lido «on line»)


E com tudo isto, como é que foi possível ter sido reeleito? Anda tudo cego????????

Toy Story IV


Lido no MELANCÓMICO:


Nós, no fundo, somos todos um bocadinho como o Buzz Lightyear no "Toy Story". Brinquedos que não sabem que o são
Em tempo:

Os mais velhos, em vez de dizerem "Toy Story 3", dizem "Tolstoi 3"

A face oculta


Lido em «Imprensa falsa»


Sábado, 06 de Fevereiro de 2010


Com mais de 20 mil cópias: Escutas do processo Face Oculta já são disco de platina
As escutas efectuadas no âmbito do processo Face Oculta chegaram esta semana às 20 mil cópias, alcançando assim o prestigiado “disco de platina das escutas judiciais”. É um número incrível, sobretudo depois da obra ter sido mandada destruir pelo presidente do Supremo Tribunal.

Desta forma, as escutas do Face Oculta ultrapassam as escutas do Apito Dourado, que não foram além do disco de ouro, embora a editora acredite que uma versão natalícia de Pinto da Costa a explicar como se vai para sua casa possa fazer explodir as vendas em Dezembro.

O mundo a meus pés


visited 0 states (0%)
Create your own visited map of The World

O ano do «Facebook»



Aqui estão as escolhas da Imprensa Internacional em Hollywood (segmento CINEMA).

Os vencedores estão a rosa.

BEST MOTION PICTURE - DRAMA

BLACK SWAN
Protozoa Pictures & Cross Creek Pictures & Phoenix; Fox Searchlight Pictures

THE FIGHTER
Paramount Pictures and Relativity Media; Paramount Pictures and Relativity Media

INCEPTION
Warner Bros. Pictures UK LTD.; Warner Bros. Pictures

THE KING'S SPEECH
See-Saw Films and Bedlam Productions; The Weinstein Company

THE SOCIAL NETWORK
Columbia Pictures; Sony Pictures Releasing

BEST PERFORMANCE BY AN ACTRESS IN A MOTION PICTURE - DRAMA
HALLE BERRY
Frankie and Alice

NICOLE KIDMAN
Rabbit Hole

JENNIFER LAWRENCE
Winter's Bone

NATALIE PORTMAN
Black Swan

MICHELLE WILLIAMS
Blue Valentine

BEST PERFORMANCE BY AN ACTOR IN A MOTION PICTURE - DRAMA
JESSE EISENBERG
The Social Network

COLIN FIRTH
The King's Speech


JAMES FRANCO
127 Hours

RYAN GOSLING
Blue Valentine

MARK WAHLBERG
The Fighter

BEST MOTION PICTURE - COMEDY OR MUSICAL
ALICE IN WONDERLAND
Walt Disney Pictures; Walt Disney Studios Motion Pictures

BURLESQUE
Screen Gems; Sony Pictures Releasing

THE KIDS ARE ALL RIGHT
Antidote Films, Mandalay Vision, Gilbert Films; Focus Features

RED
di Bonaventura Pictures; Summit Entertainment

THE TOURIST
GK Films; Sony Pictures Releasing

BEST PERFORMANCE BY AN ACTRESS IN A MOTION PICTURE - COMEDY OR MUSICAL

ANNETTE BENING
The Kids Are All Right

ANNE HATHAWAY
Love and Other Drugs

ANGELINA JOLIE
The Tourist

JULIANNE MOORE
The Kids Are All Right

EMMA STONE
Easy A

BEST PERFORMANCE BY AN ACTOR IN A MOTION PICTURE - COMEDY OR MUSICAL

JOHNNY DEPP
Alice in Wonderland

JOHNNY DEPP
The Tourist

PAUL GIAMATTI
Barney's Version

JAKE GYLLENHAAL
Love and Other Drugs

KEVIN SPACEY
Casino Jack
BEST ANIMATED FEATURE FILM

DESPICABLE ME
Universal Pictures, Illumination Entertainment; Universal Pictures

HOW TO TRAIN YOUR DRAGON
DreamWorks Animation; Paramount Pictures

THE ILLUSIONIST
Django Films, Ciné B and France 3 Cinéma; Sony Pictures Classics

TANGLED
Walt Disney Animation Studios; Walt Disney Studios Motion Pictures

TOY STORY 3
Disney * Pixar; Walt Disney Studios Motion Pictures

BEST FOREIGN LANGUAGE FILM

BIUTIFUL (Mexico/Spain)
Menageatroz, Focus Features International; Roadside Attractions

THE CONCERT (France)
An Oï Oï Oï Productions, Les Productions Du Tresor, France 3 Cinema, Europacorp, Castel Films, Panache Productions, RTBF (Belgian Television), BIM Distrubuzione Co., Canal +, Cinecinema and France 3; The Weinstein Company

THE EDGE (Russia)
Teleshow/Rock Films; Central Partnership (Russia)

I AM LOVE (Italy)
First Sun; Magnolia Pictures

IN A BETTER WORLD (Denmark)
Zentropa Entertainment; Sony Pictures Classics

BEST PERFORMANCE BY AN ACTRESS IN A SUPPORTING ROLE IN A MOTION PICTURE

AMY ADAMS
The Fighter

HELENA BONHAM CARTER
The King's Speech

MILA KUNIS
Black Swan

MELISSA LEO
The Fighter

JACKI WEAVER
Animal Kingdom

BEST PERFORMANCE BY AN ACTOR IN A SUPPORTING ROLE IN A MOTION PICTURE

CHRISTIAN BALE
The Fighter

MICHAEL DOUGLAS
Wall Street: Money Never Sleeps

ANDREW GARFIELD
The Social Network

JEREMY RENNER
The Town

GEOFFREY RUSH
The King's Speech
BEST DIRECTOR - MOTION PICTURE

DARREN ARONOFSKY
Black Swan

DAVID FINCHER
The Social Network

TOM HOOPER
The King's Speech

CHRISTOPHER NOLAN
Inception

DAVID O. RUSSELL
The Fighter

BEST SCREENPLAY - MOTION PICTURE

DANNY BOYLE, SIMON BEAUFOY
127 Hours

LISA CHOLODENKO, STUART BLUMBERG
The Kids Are All Right

CHRISTOPHER NOLAN
Inception

DAVID SEIDLER
The King's Speech

AARON SORKIN
The Social Network

BEST ORIGINAL SCORE - MOTION PICTURE
ALEXANDRE DESPLAT
The King's Speech

DANNY ELFMAN
Alice in Wonderland

A.R. RAHMAN
127 Hours

TRENT REZNOR, ATTICUS ROSS
The Social Network

HANS ZIMMER
Inception

BEST ORIGINAL SONG - MOTION PICTURE

"BOUND TO YOU" - BURLESQUE
Music by: Samuel Dixon
Lyrics by: Christina Aguilera, Sia Furler

"COMING HOME" - COUNTRY STRONG
Music & Lyrics by: Bob DiPiero, Tom Douglas, Hillary Lindsey, Troy Verges

"I SEE THE LIGHT" - TANGLED
Music by: Alan Menken
Lyrics by: Glenn Slater

"THERE'S A PLACE FOR US" - CHRONICLES OF NARNIA: THE VOYAGE OF THE DAWN TREADER
Music & Lyrics by: Carrie Underwood, David Hodges, Hillary Lindsey

YOU HAVEN'T SEEN THE LAST OF ME" - BURLESQUE
Music & Lyrics by: Diane Warren


domingo, 16 de janeiro de 2011

A antecâmara dos OSCARES



Hoje é dia/noite de GLOBOS DE OURO.
Pela noite dentro...

Eu já não sou de mim


A porta fechada
A cara voltada
O chão se aproxima

Do murro arrependido
Do elevador não caído
O corpo se aperta

E eu não sou já de mim
sou do gosto que não dei
e de mim se tomou

E não sei que mais tarde
serei das águas do Tejo
ou doutro rio mais aquém

Não terei trejeito, nem geito sequer
poderei quanto muito rimar
com quem, como eu, tal não puder:
Uma cor, uma pedra ou talvez um pomar.


texto e fotografia de Luis Rodrigues

Eu sei que tu sabes


Eu sei e você sabe
Já que a vida quis assim
Que nada nesse mundo levará você de mim
Eu sei e você sabe
Que a distância não existe
Que todo grande amor
Só é bem grande se for triste

Por isso meu amor
Não tenha medo de sofrer
Que todos os caminhos
Me encaminham a você.

Assim como o Oceano, só é belo com o luar
Assim como a Canção, só tem razão se se cantar
Assim como uma nuvem, só acontece se chover
Assim como o poeta, só é bem grande se sofrer
Assim como viver sem ter amor, não é viver
Não há você sem mim
E eu não existo sem você!


Vinicius de Morais

sábado, 15 de janeiro de 2011

Be happy!

Olho águia


'Perderei a minha utilidade no dia em que abafar a voz da consciência
em mim'.

Mahatma Gandhi

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Miséria


Cerca de 400 populares de Cantanhede dão as mãos para apoiar Renato Seabra.

Está, assim, desculpada a crueldade!
Porque o «outro» merecia morrer...

Porca miséria!

Luz

Não me digas para acender as luzes do meu candeeiro
Bastam-me as que irrompem de ti...

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Saudades


....de quê ?...
De (quase) nada. Só de vos aborrecer e importunar, apenas.
Adoro a nova foto do nosso blogue.

Para a V.

Porque a V. merece tudo...
Porque amanhã não vai ser um dia de névoa...
Porque...

Névoa


Caminhos de névoa, rotas de perda de luz...

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Se é para vir que venha...



A nossa Pontes num disco nomeado nos futuros Grammys...

E se no nosso fim ficasse o meu melhor?

ao teu lado afago os dias

Quero o teu bom inverno

Sinto-me a perder de vista

E se as luzes se apagarem?

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Dedicatória


Foi para ti que criei as rosas.
Foi para ti que lhes dei perfume.
Para ti rasguei ribeiros
e dei às romãs a cor do lume.

Eugénio de Andrade

Fama


Mas, afinal, quem foi a vítima e quem é o algoz?
Triste país este!

Testamento Vital

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

O fruto da rosa (salvé, 6.1.1991)


nasceu num primeiro dia de reis,
soletrado pelas fadas e duendes,
os mais azuis que a mãe coloriu
em seu regaço de cambraia e ternura
Cresceu perto das covas e das penas,
aquelas que a rosa mãe cuidou de afastar do seu caminho.
Palmilhou sonhos enfeitados de murmúrios
e calcou a areia doce da terra mais prima da água marinha.
os olhos da mãe não o largam
E mesmo agora,
para lá do poente,
para além de outras pragas,
as mesmas fadas e duendes
não descansam de o confortar,
fazendo, enfim, dormir em paz
aquela que lhe deu vida,
cor e sabor...

É azul o seu laço.
É eterna a sua cor...


Ao N.

azul

Não encontro a porta certa para o azul perfeito...

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Lama (fotógrafo de nuvens e de estrelas)


O que faz um fotógrafo de nuvens e de estrelas,

neste dia de chuva, de temporal desfeito, quase

deitado no chão, fotografias espalhadas em volta,

no meio da lama? Há quem se aproxime para o

ajudar, quem apanhe as imagens mais sujas e lhas

devolva limpando-as com a ponta do casaco. Mas,

uma a uma, ele volta a colocá-las onde estavam,

tão meticulosamente como se as dispusesse num

desses tabuleiros que usa para a revelação dos

negativos. E, esfregando-as contra as pedras da

rua, desenha mais sulcos no papel fotográfico -

riscos, manchas negras. «As belas fotografias»,

digo-lhe, desolada, enquanto procuro salvar ainda

as menos atingidas. «Manchadas, estragadas. Porquê

tudo isto? Eram tão leves as tuas nuvens, foram

tão demoradas de fotografar na exacta medida

de luz e de sombra». Molhado até aos ossos, o

fotógrafo celeste parece estranhamente feliz com

a sua obra, «Agora estão certas», diz. «Continuam

tão belas quanto eram, mas têm também aquela

margem de lixo e de desordem sem a qual nada

pode ser verdadeiramente deste mundo».


Rosa Maria Martelo


Poemas com cinema dentro


terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Espanto

video

Mesmo...

à vossa consideração e para vosso deleite...

Blue Valentine


Estejamos atentos a este filme - o «the way we were" de 2010.

Chaveiro


Passamos a vida a dar palavras aos outros, mas não a chave para entrarem no nosso silêncio.

MJF