sexta-feira, 4 de março de 2011

Correto



Pese embora a infelicidade e rudeza das frases do "criador", não deixo de ficar espantado como é que algo acontecido em Outubro de 2010, onde visadas pelas frases se riem, vem agora a terreiro e com esta aura de escândalo. Sinceramente, mesmo sem simpatia pelo proferido, aliás visivelmente alcoolizado no mínimo, fico arrepiado com esta marcha do polticamente correto que nos atinge...faz-me lembrar o australiano suposto abusador de suecas maduras, enquanto dormiam e sem preservativo.

Esta loucura do correto e asséptico (assético) ainda nos há-de morder a todos. Riam-se e vão ver. lembro-me que já não se poderá contar a anedota que, no liceu trocávamos entre todos....como se metem 1000 judeus num Mini ? resposta: no cinzeiro. Então, nos idos de 70 e 80, riamos e sabíamos que era apenas uma graçola negra e sem qualquer sentido...hoje...iríamos presos. O politicamente correto virou uma censura mesquinha e cega. Digo eu que sou um pró-israelita assumido e apoiante de todas as suas politicas. Mesmo as do muro. Estou sempre com eles.

Reproduzo texto publicado no Publico.PT online...
Quem tem medo de John Galliano? A frase, um pastiche do teatral Quem Tem Medo de Virginia Woolf?, foi cunhada pela então jornalista Catarina Portas e pelo produtor de moda Paulo Gomes em 1993, quando o designer britânico esteve para ser o convidado especial da ModaLisboa e gerou os protestos de uma série de criadores portugueses (Ana Salazar, Alves/Gonçalves, Tenente, Nuno Gama), que temia ser ofuscada pela exuberância de Galliano. A edição da ModaLisboa ficou congelada, Portas e Gomes perguntaram-no nos jornais, a frase acabou estampada em t-shirts vendidas no Bairro Alto. Ele já era um ícone. Hoje, véspera do desfile da Casa Christian Dior no Museu Rodin, em Paris, Galliano estará ausente, despedido da histórica e rica casa de moda parisiense após duas acusações policiais por insultos raciais, pelos quais será julgado nos próximos meses, e um vídeo com declarações anti-semitas que afastaram até a vencedora do Óscar de Melhor Actriz, Natalie Portman, de origem israelita. Que simboliza ele hoje?Na sexta-feira, 25 de Fevereiro, Galliano foi suspenso da Maison Dior após a queixa de um casal, que diz ter sido insultado pelo criador, embriagado, no bar La Perle, do icónico bairro parisiense do Marais. Geraldine Bloch, 35 anos, diz ter ouvido: "Sua cara suja de judia, devias estar morta." Philippe Virgitti, 41 anos e de origem asiática, diz que o criador o ameaçou: "Seu cabrão asiático, vou matar-te." A importância e a carreira do homem que salvou a Casa Dior do prejuízo, um milagre da alta-costura mundial, estava suspensa por uma polémica grave que faz lembrar os dislates de Mel Gibson, ou, mais recentemente, de Charlie Sheen. Mas na terça-feira seguinte, depois da divulgação de um vídeo (que será datado de 12 de Outubro e no qual as interlocutoras do criador se riem audivelmente) em que Galliano profere comentários anti-semitas no mesmo bar, dizendo nomeadamente "Amo Hitler" (o vídeo está no site do PÚBLICO), a Dior despediu-o mesmo. "O carácter particularmente odioso do comportamento" do criador no vídeo, lê-se no comunicado da marca, levou Sydney Toledano, presidente da empresa, "a condenar com grande firmeza as suas declarações". A Casa tinha sido cautelosa desde o início, distanciando-se de Galliano assim que o alegado teor das suas declarações foi conhecido - ele negou inicialmente os factos,tendo o seu advogado Stéphane Zerbib enfatizado que o casal começou a discussão, gozando com o aspecto de Galliano. Depois, nova queixa. Uma francesa diz ter sido insultada no mesmo registo e no mesmo La Perle, também em Outubro. Não se queixou mais cedo por ter achado que o criador estava alcoolizado. Novamente, o advogado de Galliano questiona estas acusações e o seu timing.Entretanto, ontem à tarde, Galliano, já representado pela firma de advogados que defendeu Kate Moss, quando foi acusada de consumo de drogas, pediu desculpas. "O anti-semitismo e o racismo não têm qualquer papel na nossa sociedade. Peço desculpas sem reservas pelo meu comportamento", disse num comunicado divulgado pelas agências noticiosas. Não sem acrescentar que foi "sujeito a uma perseguição verbal e a uma agressão não provocada": "Um indivíduo tentou agredir-me com uma cadeira depois de ter comentado violentamente o meu aspecto e a minha roupa." Agora promete internar-se numa clínica de reabilitação.Natalie Portman, cara do perfume Miss Dior Chérie (uma das principais fontes de lucro da marca, cujos desfiles espectaculares servem sim de alavanca para as vendas de produtos como os perfumes, cosméticos e acessórios), acabada de ganhar um Óscar, disse segunda-feira que nada queria ter a ver com alguém que proferia tais palavras contra judeus como ela. Em França, as declarações anti-semitas são puníveis com penas até seis meses de prisão.Um génio em depressão?

5 comentários:

Anónimo disse...

Gui!
Sinceramente também não percebi...
Beijinhos
O P. vai pensar em nós durante o fim de semana .

Tenho nome de Flor

Guilherme Salem disse...

Tempo não lhe vai faltar.
Beijinho.
Gui

Carmo disse...

É... embora considere que há afirmações graves, é verdade que cada vez mais o que impera é o politicamente correcto, ainda que hipócrita e por vezes baseado numa mentira de convicções e sentimentos.
Não podemos permitir-nos dizer tudo o que nos vem à cabeça, mas de facto não há atenuantes para os impulsivos, que por vezes apenas dizem o que outros pensam e dizem para o lado baixinho a contar as tais anedotas.
Estamos numa sociedade onde se pune o politicamente incorrecto... e bem.
Mas onde se batem palmas aos discursos hipócritas e bem ensaiados dos mentirosos.
É tudo bastante complexo. Não defendo de forma alguma o racismo ou xenofobia, a homofobia, o machismo, etc, etc... mas por vezes também não há qualquer preocupação em contextualizar afirmações e enquadrar comportamentos. O ser Humano é cheio de defeitos e existe com a sua condição e não com a sua perfeição.
As leis devem existir e punir, o julgamento dos outros também, mas cada vez menos se olha para as "intenções", as "condições", o que está subjacente...
Difícil saber como tudo se passou neste caso, mas a vida nem sempre é justa...
Carmo

Guilherme Salem disse...

Pelos vistos o Galliano andava a "pedir" para ser despedido...alcool e etc e desleixo..serviram as palavras tristes.
De qualquer forma,continuo a dizer o que já disse. Abaixo o politicamente correto, viva o Incorreto cada vez mais. Basta de espartilhos, grilhetas e sonsices hipócritas. Até hoje não conheci um politicamente correto, puro, que não seja um grande hipócrita e pessoa a evitar.

Anónimo disse...

Gui : Já não temos idade para venerar, obedecer calados, fingir que estes todos são gente de bem.
Estou consigo !

Porquê?
Porque fazem tudo o que lhes apetece sem nos perguntarem se está correto !

Beijinhos :)

Tenho nome de Flor