sexta-feira, 16 de maio de 2008

Feminino plural








Que mulher nunca teve
Um sutiã meio furado,
Um tio meio tarado
Ou um amigo meio viado?
Que mulher nunca tomou
Um fora de querer sumir,
Um porre de cair
Ou um lexotan prá dormir?

Que mulher nunca sonhou
Com a sogra morta, estendida,
Em ser muito feliz na vida
Ou com uma lipo na barriga?
Que mulher nunca pensou
Em dar fim numa panela,
Jogar os filhos pela janela
Ou que a culpa era toda dela?
Que mulher nunca penou
Prá ter a perna depilada,
Prá aturar uma empregada
Ou prá trabalhar menstruada?
Que mulher nunca acordou
Com um desconhecido ao lado,
Com o cabelo desgrenhado
Ou com o travesseiro babado?
Que mulher nunca comeu
Uma caixa de Bis, por ansiedade,
Uma alface, no almoço, por vaidade
Ou, um canalha por saudade?
Que mulher nunca apertou
O pé no sapato prá caber,
A barriga prá emagrecer
Ou um ursinho prá não enlouquecer?

Que mulher nunca jurou
Que não estava ao telefone,
Que não pensa em silicone
Ou que "dele" não lembra nem o nome?
(autora desconhecida)
*************************************
Saudações a todas as MULHERES da minha vida...

19 comentários:

Guilherme Salem disse...

Ora assim é....
Ás mulheres da minha vida...
Aqui, publicáveis e confessáveis, apenas a minha mãe, avós, primas, cunhadas (sim...cunhadas), amigas, namoradas,noiva (não digo se ex se presente só para deixar a cusquice no ar), paixões, colegas e as irmãs que, não de sangue, nunca me faltaram...Á Mulher....(e, se possível, sem botox, nem cirurgias...tal como Deus as fez..ok?).

Guilherme Salem disse...

O poema é um achado...e tão verdadeiro...gostei

Guilherme Salem disse...

César, mais uma vez, além do poema ser um achado, as fotos são lindas...e todas as mulheres retratadas nelas são lindas..cada uma na sua realidade...Belo Feminino.

Anónimo disse...

Magnífico este retrato de simplicidade no feminino...

Eu

R. disse...

Para elas: mamã, avó R., avó A., Avó de baixo, Mã, best friend S., P., C., minuins M., M., M., R., friends forever, callas, antimetralhas, tias, primas...

Amei o poema...

Anónimo disse...

Então, Passiflora, não comenta este?

Anónimo disse...

Este poema é um achado;tirando alguns pormenores ( ...aquele, do cabelo desgrenhado com um desconhecido, estão a ver?), senti-me esfrangalhadamente retratada.

E então, pois:

À minha MÃE ( minha raiz e árvore frondosa ), á minha Irmã, à minha Avó J., á minha Avó I., à minha Tia-Avó C., às mulheres Tias M.,A.,I.,M.,O.,I.,ás minhas Primas C.,A.,I.,C.,P.,E.,I.,J.,S.,Z.,D.,R., ás primas pequenininas, ás minhas Amigas de sempre e ás Mulheres que eu admiro e respeito.

Aqui as lembro.
Aqui as lembrei.

E gratias, César, pelo post que é um autêntico Hino á mulher e também pelo "retorno" .

Bj.
C (EN)

Anónimo disse...

Ora bem, é claro que comento. E já quis fazê-lo muitas vezes. Mas a inspiração só me atirava: Onde é que Ele foi desencantar isto?
O poema é realmente um achado, pela subtileza do conhecimento sobre as mulheres que o autor(a) demonstra.

Anónimo disse...

BOM DIA,MAGNÓLIOS!

Gui, não é "cusquice", mas taõ só logística: como compreenderás, preciso saber da eventual actualidade da noiva....

Bj.
C (EN)

Passiflora Maré disse...

O anónimo das 9:39 é a Passiflora Maré.
Azelhice.

Anónimo disse...

Eva Negra és uma heroína de oportunidade.
Mas penso que vais ficar a saber o que sempre soubeste.
Nada.

Guilherme Salem disse...

C (EN) e anónimo das 12.51...pois tem razão este(a) ultimo(a)...nada irás saber, pelo menos por enquanto e, muito menos, por aqui...um bjo C do Gui (regressado após fim de semana out (em vagabundice como dizes)

Anónimo disse...

Bem, o anónimo das 12.51 parece conhecer-te muito bem...e adivinhou..
Mas verás, Gui,estou desde já desculpada caso não possa ser uma "boa anfitriã" ...embora adore surpresas e por isso, mesmo á custa da etiqueta, prefiro ter a surpresa...
Mas é óbvio que tu sabes que a "surpresa" melhor e mais saborosa será, evidentemente, a tua Presença.

Bj.
C.(EN)

Anónimo disse...

Caro G.,
Imagine que tinha apenas um centímetro de “Homem”, será que não dava graças pela existência da cirurgia? cada centímetro ganho na auto-estima, não é um capricho é uma dádiva. Não depreendo das suas palavras que tem a sorte e o privilégio de só conhecer “perfeitas”, mas como diz - “ (e, se possível, sem botox, nem cirurgias...tal como Deus as fez..ok?)”.
eu diria com botox, sem botox, com cirurgias, sem cirurgias, porque talvez Deus se tenha esquecido de algumas Mulheres, ou elas se julguem esquecidas… Obrigado I., que também és B., verdadeira MULHER.
Desculpe,
JF

Anónimo disse...

Mas querem ver que afinal os HOMENS se medem aos palmos e aos centimetros? Cruzes credo...

Roberto Pimentel disse...

Contribuo com trecho de um poema do saudoso Vinicius de Moraes, a parte que fala das mulheres.


O Desespero da Piedade
(Vinicius de Moraes)

Meu Senhor, tende piedade dos que andam de bonde
................................

E no longo capítulo das mulheres, Senhor, tenha piedade das mulheres
Castigai minha alma, mas tende piedade das mulheres
Enlouquecei meu espírito, mas tende piedade das mulheres
Ulcerai minha carne, mas tende piedade das mulheres!

Tende piedade da moça feia que serve na vida
De casa, comida e roupa lavada da moça bonita
Mas tende mais piedade ainda da moça bonita
Que o homem molesta — que o homem não presta, não presta, meu Deus!

Tende piedade das moças pequenas das ruas transversais
Que de apoio na vida só têm Santa Janela da Consolação
E sonham exaltadas nos quartos humildes
Os olhos perdidos e o seio na mão.

Tende piedade da mulher no primeiro coito
Onde se cria a primeira alegria da Criação
E onde se consuma a tragédia dos anjos
E onde a morte encontra a vida em desintegração.

Tende piedade da mulher no instante do parto
Onde ela é como a água explodindo em convulsão
Onde ela é como a terra vomitando cólera
Onde ela é como a lua parindo desilusão.

Tende piedade das mulheres chamadas desquitadas
Porque nelas se refaz misteriosamente a virgindade
Mas tende piedade também das mulheres casadas
Que se sacrificam e se simplificam a troco de nada.

Tende piedade, Senhor, das mulheres chamadas vagabundas
Que são desgraçadas e são exploradas e são infecundas
Mas que vendem barato muito instante de esquecimento
E em paga o homem mata com a navalha, com o fogo, com o veneno.

Tende piedade, Senhor, das primeiras namoradas
De corpo hermético e coração patético
Que saem à rua felizes mas que sempre entram desgraçadas
Que se crêem vestidas mas que em verdade vivem nuas.

Tende piedade, Senhor, de todas as mulheres
Que ninguém mais merece tanto amor e amizade
Que ninguém mais deseja tanto poesia e sinceridade
Que ninguém mais precisa tanto alegria e serenidade.

Tende infinita piedade delas, Senhor, que são puras
Que são crianças e são trágicas e são belas
Que caminham ao sopro dos ventos e que pecam
E que têm a única emoção da vida nelas.

Tende piedade delas, Senhor, que uma me disse
Ter piedade de si mesma e da sua louca mocidade
E outra, à simples emoção do amor piedoso
Delirava e se desfazia em gozos de amor de carne.

Tende piedade delas, Senhor, que dentro delas
A vida fere mais fundo e mais fecundo
E o sexo está nelas, e o mundo está nelas
E a loucura reside nesse mundo.

Tende piedade, Senhor, das santas mulheres
Dos meninos velhos, dos homens humilhados — sede enfim
Piedoso com todos, que tudo merece piedade
E se piedade vos sobrar, Senhor, tende piedade de mim!


Roberto Pimentel - Belém - Pará - Brasil

Guilherme Salem disse...

Querida C (EN)...serás sempre boa anfitriã.... e conta só com a minha presença (mesmo que seja noiva actual) há realidades que não se misturam, pelo menos por enquanto...
Bjo
Gui

Guilherme Salem disse...

Para JF: passando em claro a questão dos centímetros...(nunca me ocorreu uma coisa dessas..já que os homens também devem ser como Deus os fez)...permita que diga que gostei do seu comentário...volte sempre. Além de oportuna tem uma intervenção nada asséptica...isso é bom. Um abraço.
Gui

Guilherme Salem disse...

Roberto Pimentel: muito obrigado pelo belíssimo poema (que tenho a certeza que a maior parte de nós já não se lembrava...). Abraço.
Gui