quarta-feira, 21 de maio de 2008

Uma girafa do meu tamanho e outra que come estrelas







No meio de uma pradaria africana, entre dois grupos de girafas que se cruzaram, duas passaram distraidamente uma pela outra. De repente, metros adiante, estancaram.
Seus longos pescoços giraram cento e oitenta graus, os olhos cravaram-se. Seus corações bateram forte e descompassadamente. Num átomo de segundo, compreenderam ter encontrado a metade da girafa que lhes faltava.
A partir daquele momento mágico, Giravaldo e Girafélia, sempre de pescoços dados, passaram a trotear juntos pela mata.
Seus cérebros girafáticos projetaram uma feliz vida em comum. Entre outras coisas, um casal de girafinhas passou a fazer parte de seus planos.
Tudo caminhava bem, quando certo dia um grupo de caçadores, invadindo a pradaria, levou diversas girafas para países longínquos, entre elas Girafélia.
Sem a companheira, Giravaldo entrou em depressão e deu-se à bebida, tornou-se um giralcoólico.
Somente com muita dedicação a A.G.A. – Associação das Girafas Alcoólatras – conseguiu reverter o seu quadro. No entanto, a tristeza jamais abandonaria o desditoso girafo.
Por seu lado, Girafélia, num grande circo, fazia uma série de números: subia e descia escadas, rodava bolas pelo pescoço e outros tantos que lhe ensinaram.
Anos se passaram.
Girafélia, agora já velha, deixara de fazer o exigido.
Em seu giro pelo continente africano, como algo descartável e sem valia alguma, a velha Girafélia foi deixada numa reserva ecológica pelos homens do circo.
Meses antes, Giravaldo tivera o mesmo destino.
Encontraram-se.
Seus olhos cansados cravaram-se, reconheceram-se.
Os seus corações voltaram a bater, não com o mesmo ímpeto de outrora, agora mais devagarinho.
Mas, de toda a forma, a vida acabou por lhes proporcionar a tão ensejada união.
Ao alcance de um pescoço...

4 comentários:

Passiflora Maré disse...

Uma girafa bebé e outra feita pela mão de um menino é sempre algo extraordinário, pois nenhum adulto consegue ser artista suficientemnte naïf para fazer uma girafa que come estrelas.
Parabéns pelo texto e pelos desenhos.
BJ.

Princesa Pat disse...

Este é o blog das minhas coisas favoritas... acertam sempre... jarros, girafas...
Abraços da Princesa Pat

Anónimo disse...

É linda a história do Giravaldo e da Girafélia!
A idade não conta nestas coisas, mesmo para os corações das girafas.
Não sei porquê, a parte final fez-me lembrar ... o Cartaxo.
Bjs
F.S.

Passiflora Maré disse...

Deus sabe quantos Cartaxos estão reservados e para quem.
Um beijo para todos em especial para a F.S.