quinta-feira, 3 de julho de 2008

Janelas de segredos e perfumes.



Escreves nas linhas da tua mão.
O espaço meu
onde se elevam os lábios, o peito e os dedos,
mãos de linho que visitam o meu corpo,
respirando nas suas janelas
segredos e perfumes.

Na hora em que tuas mãos se marcam
com sinais de pele e vertigem
meus ouvidos vagueiam pela floresta luxuriante
onde foi produzido o primeiro canto selvagem.

As bocas anseiam por águas frescas
Vinhos frutados
Romãs
Cerejas…

Desejam nossos sentidos aromas de canela
Limão
Suor…

O ímpeto que agita nossos corpos
torna os dedos loucos,
as mãos em garras, escalam montanhas e
vagas gigantes.

No marulhar das vagas oscilantes,
por entre os fluidos e os relâmpagos,
a música navega.

A lua dita eróticas conjunções
anunciando varandas de sol onde se criam sementes.

3 comentários:

Armando S. Sousa disse...

Excelente.

Anabela Magalhães disse...

Subscrevo. Parabéns.

Guilherme Salem disse...

Bonito texto, bela foto.
Passi...parabéns...até breve, breve....