terça-feira, 22 de março de 2011

O «nosso» Gui


Todos os anos lhe dou os mesmos jarros... Porque para mim é um IRMÃO!
Aqui o reproduzo pois mais uma primavera conheceu o GUI.

O dia nasceu aflito de incómodos:
naquela hora, há muitas luas atrás, no dia seguinte ao primeiro da primavera,
ele nascera sem aviso.
Outrora, uma velha pitonisa dissera a sua mãe:
seria ele unguento na chaga
neve no deserto,
riso no pranto.
E teria tesouras nas mãos,
uma rosa vermelha na fronte
e um desassossego
na ansiedade das horas menos boas que teria de viver.

Chorava com a voz do riso de Charlot
Mordiscava a felicidade por entre os interstícios das boas memórias
e espalhava recados de escárnio e mal dizer
por entre os escolhos da Vida,
por entre os escorpiões mutilados
que lhe picavam a consciência...
Sentia-se desigual entre os seus pares -
é que sempre tinha tesouras em suas mãos
rodeava-se de mar adentro
sofria pelas dores que não sofria
e paria as gargalhadas com que enfeitava as vidas dos outros

Por suas mãos passaram as luzes do mundo,
as neves de Klimanjaro,
os equinócios do Equador,
as touradas reais de Pamplona,
os jardins suspensos da Babilónia,
os palhaços mais encantados de Budapeste,
os chicotes incendiados de um certo Vice,
as alegrias mais sinceras do Limoeiro,
os consentimentos menos audazes de Neptuno,
os odores menos nobres deste povo,
os "viragom" engolidos perto do silêncio do horror,
as cançonetas mais dolentes da Europa,
as conciliações mais cansadas do Bolhão,
as virgínias mais insanas do condado,
as magas das regras ansiolíticas e quejandas,
o disco-sound mais mexido da Ria de Aveiro,
as cores mais negras do etíope,
os feiticeiros mais audazes de Oz,
os sete palmos da terra derradeira,
mil e uma rotas trilhadas com uma fátima esperança (e outras preces menos promissoras),
os desencontros incompreendidos dos Dom Quixotes e das Dulcineias,
o doce paladar da Torre Eiffel,
as amizades cosidas a ponto de ouro...

De repente, embalado pela profecia da velha cega dos búzios,
ele parou.
Olhou em redor,
colheu as magnólias,
desceu do autocarro,
pousou a mala do infortúnio,
desfez os contratos de uma vida,
entregou as becas togadas de um gole só
e jogou a carta fatal...

E rumou ao país das tesouras...

Mil anos, Eduardo, Guilherme, nome sem nome -
passou por nós uma brisa que me recorda que existes:
Assim eu pudesse murmurar ao teu ouvido quando precisas...

14 comentários:

Passiflora Maré disse...

Parabéns ao Jonas, por quem os anos não passam.
Ele é que passa pelos anos, com os seus belos olhos, de olhar em roda,sempre igual e sempre nosso...
apesar de outras amizades, de outros afazeres, de outro tempo, de desencontro...
BEIJO.
Talvez amanhã... te veja

Anabela Magalhães disse...

Lindo! Gostei de passar por aqui e de ler as suas palavras. E gostei do Gui...

R. disse...

Parabéns, Gui!
Inevitavelmente (e que bom...) lembro-me sempre do Gui neste dia. Não é a única pessoa especial que conheço a cumprir primaveras a 22 de Março :) Ambos gente rara, daquela que se fez e deitou fora o molde, amigos incondicionais, luzes, brisas, sei lá, nas vidas com que se cruzam.
Um beijinho da R.

Anónimo disse...

Ao " Nosso Gui"

Meu Amigo...
Hoje, logo cedinho lembrei-me de si!
Lembrei-me dos momentos sempre separados mas que passamos juntos.
Dos momentos ausentes,
Das conversas ao vento.
Espero,que este dia o passe rodeado de pouca gente, em calmaria cheia de sentidos, perto dos que ama ( dos pais e dos gémeos).

Como presente, e, depois de muito pensar resolvi enviar esperando que goste:
Um ramo com 48 Jarros envoltos num laço de amizade e ternura e com cheiro a Jasmim!
48 episodios da serie " OZ";
48 dias de férias em Paris, na Austrália ou nos Açores;
48 sons de batuque, costumes africanos , cores e outras raças ( negras);
48 palavras de Pedro Abrunhosa;
48 escritos de José Luis Peixoto;
48 mimos;
48 cigarros da marca que preferir;
48 belos pés, bem tratados, descalços;
48 dias de SPA ( escolha o local);
48 cubos de gelo para brindar com os seus a sua bebida preferida;

48 beijinhos Gui

...ser amigo não é coisa de um dia...
O nosso tenho esperança vai chegar de coração aberto.

Em tempo:- Não receba de presente nada que tenha morangos com açúcar, sons estridentes de certos canais televisivos nem nada que tenha marca CR7,

Se enviei alguma coisa que não goste devolva pela mesma via que eu não me importo porque gosto de tudo aquilo que lhe enviei .

Parabéns! quase que podíamos fazer a festa juntos e o 48 é só um número que gosto!

Tenho nome Flor

César Paulo Salema disse...

Flor:

Isto é que o conhece bem, mesmo nunca o tendo visto!
genial...

Anónimo disse...

Intuição, o que leio do Gui, o que dele ouço falar ...
e o bem que lhe quero!
Gosto muito do Gui e aposto que ele também gosta muito de mim...

Tenho nome de Flor ( e estou comovida)

Anónimo disse...

Um Grande beijo de PARABÉNS, J.

Um "TCHIM" virtual, á tua ...
Um pequeno presente virtual http://www.youtube.com/watch?v=atvcT3w0T0c: ( espero que gostes - palpita-me que sim).

Bj.
C(en)

Anónimo disse...

Parabéns ao " Nosso Gui".
Sol no coraçao.Um beijinho.F

Guilherme Salem disse...

Estou sem palavras por tudo. Com o belo poema do P que deu mote a estes comentários, com estes mesmos...tão ternos e comoventes. Obrigado Passi, Anabela, R., F. e C (en)--logo te digo do presente virtual--...quantas saudades. E obrigado minha querida Flor....fiquei estupendamente petrificado com o seu post. Nem eu saberia dizer tanto de mim. Um Beijo imenso e obrigado pelo post no outro lado. Beijos enormes...do tamanho da Australia. Estou meio tonto...desculpem

Guilherme Salem disse...

Que belo intermezzo C (EN)...um beijo grande e negro...como nós sabemos ser.

Guilherme Salem disse...

Minha querida Flor...tudo quanto enviou é tudo quanto mais posso desejar...fico tão sensibilizado por me ter tocado tão fundo e tão generosamente. Não há nada a devolver, senão um imenso OBRIGADO e um BEIJO ENORME. Gui

Anónimo disse...

Fique bem Gui!
Porque eu estou a chorar.
Sabe, quando escrevo não uso só a mão ou o raciocínio.
Uso a alma, o coração ...
Fixo-me em dádivas que Deus me deu nestes últimos dois anos! e ,que me ajudam diariamente a ultrapassar a saudade , a inquietação e a falta da presença do amor da minha vida.
Sem darem conta o P, a C, o Gui e a Passi são os companheiros dos meus fins de tarde e principio de longas noites.

Obrigada, por tudo :)

Tenho nome de Flor

Guilherme Salem disse...

Fico feliz por ser tão presente na sua vida, como a Flor é na minha. Acho que todos agradecemos a Deus a sua presença e a sua amizade e perspicácia. Um Bem Haja. Gui

Carmo disse...

Neste fim de semana fui a casa das minhas tias e pedi-lhes uns jarros do quintal delas. Lembrei-me do "Gui", que não conheço, mas gosto de ler... Ainda Parabéns atrasados? Se aceitar aqui vão. Quando olho para os jarros da minha jarra lembro-me de si.
Escreva-nos quando puder.
O seu humor com pitadas de sarcasmo traz complementos importantes a este blog