domingo, 10 de abril de 2011

Interlúdio solar

Sinto o vento solarengo dentro de mim, rodeado pela minha varanda e pelas minhas preocupações.
E voo.
Só me falta o mar.
Esse compreende-me e alivia a minha apreensão...

3 comentários:

Carmo disse...

P.
Na minha varanda há uma magnólia em vaso que aqui me andam a ensinar a cuidar. Trato dela com o carinho que ainda gostaria de poder dedicar a alguém especial… Quando conseguir, vou plantá-la num quadradinho de “jardim” a que tenho direito no meu prédio…
Espero que se torne uma árvore bela por dentro e por fora como o afecto que tenho recebido de algumas pessoas na minha vida… incluindo as atenções especiais de quem aqui escreve.
Agora mesmo estou em frente ao mar, tentando dividir-me entre trabalhar, conversar um pouco convosco e fazer companhia a alguém que dela precisa…
Envio-lhe um pouco deste mar, um pouco revolto e agitado pelo vento, mas seguramente poético, como tudo o que P. escreve. Espero que este mar que partilho o compreenda como merece. Obrigada por se partilhar connosco e nos dar tanto neste blog.
Penso muitas vezes no seu pai. Para ele também o meu afecto.
Um abraço
Carmo

César Paulo Salema disse...

parece que o cheiro magnânimo da sua magnólia já aqui chegou. C.
Um bj

Anónimo disse...

Paulo

Como sabe dentro de miim reside uma dor , uma saudade, um vazio, uma inquietação...mas também reside a esperança, a alegria que a mesma dor tranquiliza e muita mas mesmo muita vontade de conseguir voltar a ser Eu ...

O mar, por incrível que pareça não me trás a paz. leva nas ondas o murmúrio... e, quando estou junto das ondas tudo me lembras as épocas em que segurava na mão do meu rebento e com ele saltava .
Um dia voltarei a ser feliz!
Assim Espero.

Para si mando-lhe aquele mar que gosta de contemplar com a C, que tem um farol bonito e onde as ondas rebentam num belo fim de tarde

Tenho nome de Flor