sexta-feira, 18 de julho de 2008

Os que se Importam.




Caro Sandy


Penso que (entre as pessoas) há dois tipos de Filosofias. As pessos que se importam e as que não se importam, as pessoas que fazem e as pessoas que Adiam e nunca fazem ou ajudam.

Cheguei a casa do escritório e não me senti bem, tu e o Phil eram muito pequenos. A mãe fez o jantar. Em vez de me sentar para comer, fui prá sala. Uma hora depois, o Dr. Weiss chegou, a mãe tinha-o chamado. Passou-se o seguinte: ele perguntou-me o que tinha. Eu disse-lhe uma dor no coração, depois de me examinar, ele disse que não encontrara nada que estivesse mal em mim. Perguntou-me o que fazia em excesso. Respondi-lhe a única coisa que me lembrava fumo muito, Que tal reduzir para três em lugar de 24 por dia, Perguntou ele. Eu disse porque não nenhum e ao fim duma semana a minha dor desapareceu Deixei completamente de fumar. A mãe preocupou-se, o Dr. Weiss aconselhou, eu ouvi, Há muitos conselheiros neste mundo, também há pessos que se importam e fazem, e pessoas que escutam, Em muitos casos salvam vidas, e há também os que exageram e abusam, os que fumam de mais e bebem de mais, tomam drogas, e também comem desalmadamente. Em cada um dos casos todas estas coisas podem causar doenças e às vezes ainda pior do que isso.

Tu querias uma casa. Eu arranjei-te logo o dinheiro para a comprares. Porquê? porque me importava. O Phil precisava de uma operação à hérnia, eu levei-o ao médico e ele foi operado. Fiz o mesmo com a mãe depois de ela sofrer durante 27 anos. Porquê porque sou uma pessoa que se importa e que faz. Suponho que os pais dela se importavam, mas eu senti a dor de ambos e fiz, não adiei. Digo ao Jon e malho nele. Uso toda a espécie de lugares-comuns, «Como», um idiota e o seu dinheiro depressa se separam) (Um tostão poupado é um tostão ganho) (qualquer dia, haverá um velho que dependerá de ti.) e quando ele perguntou quem, respondi-lhe que eras tu.)etc Não lhe digo uma vez, continuo a dizer-lho ou a Sarraziná-lo, porquê, porque ele se esquece, como um bebedor viciado, ou um drogado, etc. Porque continuo a sarrazinar? Tenho consciência de que é uma chatice, mas quando se trata de pessoas com quem me importo tento curá-las, mesmo que se oponham ou não se disciplinem... dixiplinem incluindo eu próprio. Travo muitas batalhas com a minha consciência, mas luto contra os meus pensamentos irrados. Importo-me, com as pessoas à minha maneira.

Peço-te que desculpes a ortografia e a caligrafia. Nunca fui bom a escrever, mas agora estou pior, não vejo muito bem.

O Sarrazinador,

Nome errado,

devia ser O Que Se Importa

Abraço

Pai.

Roth Philip

O Património.

7 comentários:

Maria do Carmo Cruz disse...

Philip Roth é um dos meus autores preferidos, mas não conhecia este texto ou não estou a reconhecê-lo, porque leio sempre na língua original para não me incomodar. Poupo-me o mais que posso a irritações desnecessárias. De tudo o que li o que mais gostei foi "The Conspiracy against America" (estou a citar de cor, mas julgo que é mesmo este. Achei i livro (que é um tanto autobiográfico) uma maravilha de narrativa, mas custou-me muito perder a minha admiração pelo aviador Charles Lindbergh. Que só perdi depois de confirmar o que dizia F Roth.
Também ando a ler "A loucura de Churchill", uma obra histórica, não romance, e desconfio que lá vão uns heróis ao ar...
Gostei do texto, seja de quem for. Muito.
Avó Piruta, com um abraço para o postador...

CLAP!CLAP!CLAP! disse...

Não é inocentemente que o faço aqui.
O meu lugar foi um vestíbulo em balcão na serra, onde "apanhava um bonés" e por cortesia deixaram-me merecer a V/ confiança e V/ atanção.
Tenho consciência da escala que ocupo e mesmo deixando-me "assaltar pela loucura", nunca deixei de ver os limites.
Sem falsas vaidades reafirmo: desculpe se lhe perturbei o sono; desculpe se a des-iludi!

Passiflora Maré disse...

Clap já faz parte do meu coração. Entre sempre nos meus post e com esta moderação.
Bj.
Obrigada.
Obrigada Avó Pirueta. Pode sempre ver quem é o postador pelo nome abaixo do post.

Armando S. Sousa disse...

Philip Roth? O escritor.

Armando S. Sousa disse...

A senhora maria do carmo cruz, tem razão numa coisa, depois de se ler o livro " A conspiração contra a América", só podemos considerar Charles Lindbergh, um execrável americano-nazista.
mas Roth, continua judeu...

Maria do Carmo Cruz disse...

O senhor Armando S. Sousa tem toda a razão, excepto numa coisa: não existe nenhuma senhora Maria do Carmo Cruz. Que eu saiba, com aquela carinha de quem não parte um prato, sou eu. E eu não sou senhora nem dona. Certamente só me conhece daqui e não saberá que sou conhecida por belíssimos nomes, em três continentes. Mas em nenum sou senhora ou dona. Sou Mãezinha tout Court, Mãe Embondeiro, Mãe Bom dia, tia Carmen e tia Carmo, Mãe Descomplica, Mãe Não há Problema, etc. Estamos entendidos, senhor Armando S. Sousa?
E quanto ao Philip Roth continuar judeu, isso não é defeito. Também continua comunista. Mas eu gosto de o ler. Porque o ser judeu nunca aparece como em emblema de superioridade ganha pelo sofrimento e o comunismo dele é, pelo menos, lúcido.
Vá, para lhe mostrar que não mostro rancor, mando-lhe um abraço.
Avó Pirueta (este é o nome por que me chamam os meus três netos de sangue e os nem sei quantos do coração)

Armando S. Sousa disse...

Avó Pirueta,
Há aqui um qui pro quo, que eu não posso fazer nada.
Eu existo, e o nome é sempre o mesmo, em quatro continentes. Peço desculpa por não conhecer a Oceânia.
Se, não gosta do seu nome, pode sempre optar por um alter-ego; limitei-me a comentar e a usar o nome com o qual assinou o seu comentário e não fiz mais nenhum juízo, em relação, à pessoa que escreve sobre este nome.
Sobre o Philip Roth, o livro "A Conspiração Contra a América" tem o título original de "The Plot Against America".
Receba um abraço, de um neto blogosférico.