domingo, 24 de agosto de 2008

Interrogação

"Saber muito das mulheres é ser capaz de expulsar delas sete
demónios; o resto é não saber nada." Agustina Bessa-Luís



E saber muito dos homens ... ?

7 comentários:

Anónimo disse...

Saber muito dos homens é entender o quanto eles desejam expulsar das mulheres os seus sete demónios.

Muralha

Anónimo disse...

Sinceramente, acho que saber muito dos homens é ...não saber nada!


Bj.
C(EN)

C (EN) disse...

Bem Vindo ( e eu aproveito parassumir "bloguisticamente" a identidade - só hoje descobri como se faz...)

Bj.
C. ( EN) - isto agora é à cautela...

C (EN) disse...

..Queria ter escrito "para assumir", é evidente ( isto é mais para evitar os ruídos dos puristas com tiques de correctores).

R. disse...

Não sei nada deles...
Pressinto que talvez o momento em que esteja mais próxima de saber alguma coisa seja exactamente aquele em que não me caiba na fala o que sei...
A propósito, porque o (re)descobri há poucos dias:

Não pode Amor por mais que as falas mude
exprimir quanto pesa ou quanto mede.
Se acaso a comoção concede
é tão mesquinho o tom que o desilude.

Busca no rosto a cor que mais o ajude,
magoado parecer os olhos pede,
pois quando a fala a tudo o mais excede
não pode ser Amor com tal virtude.

Também eu das palavras me arredeio,
também sofro do mal sem saber onde
busque a expressão maior do meu anseio.

E acaso perde, o Amor que a fala esconde,
em verdade, em beleza, em doce enleio?
Olha bem os meus olhos, e responde.


António Gedeão, in Colóquio Letras, nº55, Maio de 1980

Jota Cê Mascarenhas disse...

Esta discussão, por redutora, leva-nos para terrenos impróprios: Os homens serão tentados a responder em uníssiono e as mulheres idem, aspas. Há variadíssimos tipos de homens e de mulheres com comportamentos diametralmente opostos e homens e mulheres com comportamentos idênticos, nalguns casos siameses. Há homens e mulheres adoráveis e homens e mulheres execráveis. Até há uns que gostariam de ser outros. E todos nós conhecemos exemplos que abonamos e outros que definitivamente não abonamos.
Tudo o mais é guerra de sexos e de territórios. Viva a diversidade e a diferença.

Jota Cê Mascarenhas disse...

Ou seja:
Não há mulher e homem, há mulheres e homens.dxhcs